quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Comer a placenta: um hábito cada vez mais comum

Esse dias estava conversando com o meu marido e ele me disse: Amor, sabia que dá para comer a placenta depois do parto? Eu fiquei olhando para ele com uma cara de "ECA" e perguntei quem é que fazia isso.

Fiquei bem encucada com esse assunto e decidi trazer para vocês. Quem ai tem conhecimento sobre isso? Alguém já comeu a própria placenta depois que o filho nasceu?

Fui pesquisar a fundo para saber se tinha mesmo pessoas que faziam esse tipo de coisa e para a minha "mega" surpresa, essa prática tem até um nome: Placentofagia!

Imagem retirada do site Catraca Livre
Quase cai pra trás quando vi isso gente, mas acreditem, está se tornando cada vez mais comum e os Estados Unidos (tinha que ser eles, né?) esta saindo na frente com esse assunto. Essa pratica esta se espalhando cada vez mais por terras americanas e muitas famosas já adotaram esse hábito.
Soube que isso aconteceu por aqui e bombou nas redes sociais com a notícia da Bela Gil ter misturado a sua placenta a uma vitamina de banana e além dela ter tomado, ainda deu pra filha! 
A única coisa que passa na minha cabeça numa hora dessas é: o povo ta voltando a ser primitivo e querendo viver igual animal? Porque pelo que sei, isso é algo que animais fazem. 
Algumas fontes dizem que comer a placenta é algo nutritivo e que é rico em hormônios, ferro e que ainda por cima ajuda na recuperação pós parto e na amamentação. Apesar disso nenhum estudo foi divulgado comprovando que realmente comer um pouco da placenta tenha esses benefícios.

A placenta é uma espécie de anexo embrionário, formada por tecidos dos óvulos e responsável por manter o bebê vivo dentro da barriga da mãe. É como se fosse um órgão temporário, como uma bolsa recoberta de sangue, onde a criança pode se alimentar, absorver nutrientes e respirar. O órgão também libera hormônios, dentre os principais: progesterona, gonadotrofina coriônica (hCG), hormônio lactogênio placentário e estrogênio. (Fonte: http://www.vilamulher.com.br)

Ainda bem que esse hábito não envolve ter o parto e já comer a bendita, surgiu até uma nova profissão com isso: os preparadores de placenta! Nos Estados Unidos tem uma empresa que prepara a placenta, assim que são enviadas a essa empresa, ela é cozida no vapor, desidratada e transformada em pó. Sendo assim, colocadas em cápsulas e devolvidas a dona para que possa ingeri-las. 

Mas ai vem a pergunta: há vantagens comer a placenta? É seguro?
Não há nenhum estudo comprovando que há benefícios nessa pratica, apenas as crenças de algumas mulheres achando que isso realmente ajuda no pós parto e te deixa mais saudável. Além do que, a placenta contém uma grande quantidade de hormônios que não são interessantes a outras pessoas (não grávidas), então nada de ir correndo na vizinha pedir um pedaço da dela quando ela parir, hein?!
Isso é algo para ser tomado muito cuidado, até porque pode ser uma fonte para contaminação de vírus e doenças infectocontagiosas.

O que me faz pensar é, o porque das mulheres quererem voltar a forma primitiva e não civilizada de séculos atrás, só para se recuperarem mais rápido ou terem mais nutrientes (já não basta uma dieta bem equilibrada e muito repouso?) A evolução humana se deu para que esse hábito fosse extinto, desenvolvendo um organismo que tem todas as capacidades naturais para se recuperar e produzir nutrientes necessários para o bebê.

Não vou julgar ninguém, acredito que cada um tenha as suas crenças e gostos e isso é indiscutível. Portanto, gostaria de saber de vocês o que acham sobre esse assunto? Vocês são contra ou a favor de comer a placenta após o parto?

Nenhum comentário:

Postar um comentário